A Criança no Nevoeiro

Encheu o fornilho de fumo ruim, uma marca barata de sabor menta. Era o único que tinha e serviria para esta noite.  Ganhou a noite cinzenta da varanda. Em pé, como costumava ler poesia, acendeu o fumo com o isqueiro branco barato.  Pouxou a fumaça do fumo que resistiu em queimar.  Conseguiu uma brasa persistente apenas na segunda vez. Quando só restavam cinzas, esvaziou o conteúdo e abasteceu novamente o cachimbo, desta o isqueiro foi necessário apenas uma vez.

O estomago vazio era proposital.

Agora as volutas do fumo reuniam-se ao clima nublado e enevoavam sua visão o sabor, o odor e a tontura – quase como a de algumas cervejas – ajudava sua meditação.  No meio da névoa ele via a criança.

O menino está sentado na mercearia no andar de baixo da casa do tio observando os adultos jogando baralho, berrando, bebendo e fumando seus palheiros embaixo das voltas de salame dispostas nas vigas de madeira. É uma tarde ensolarada e colorida.

Quando esta segunda carga acaba a criança se vai, acaba a tarde, a cor se desbota uma lembrança tão fantasiosa como as histórias de saci que a criança escutava.

A realidade concreta é fria e cinza, como as cinzas que agora despejava no lixeiro.

Anúncios
Comments
One Response to “A Criança no Nevoeiro”
  1. Tais disse:

    que lindo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: