[review] TRAPO – Cristovão Tezza

O professor aposentado Manoel, pequeno traste simpático, como define em sua cuidadosa amargura tão cultivada quanto sua velha casa, espremida entre os prédios, cuidada como a rotina auto-imposta que criam os velhos para levar a vida têm sua inércia interrompida pela figura explosiva, vulgar, colorida de Izolda Petroski, dona de pensão. Izolda, instruída por um … Continue lendo